6 Plataformas de Mídias Sociais para o Terceiro Setor atuar hoje!

Os últimos anos tem sido chamados de Era das Mídias Sociais. Todo mundo está falando sobre isso, e vários setores econômicos baseiam seus modelos de negócios nas mídias sociais. Mas as ferramentas também podem ser usadas no mundo das Organizações Sem fins lucrativos? E toda ONG precisa de vários perfis de mídia social para operar hoje, ou isso pode até prejudicar sua missão?

Neste artigo, vamos dar uma olhada na complicada área do gerenciamento de mídia social e dar dicas sobre como manobrá-la para lucrar ao máximo para sua organização. Na segunda seção, apontaremos os prós e os contras das diferentes plataformas que você pode usar.

Mídia social para ONGs

A mídia social para ONGs oferece uma grande oportunidade de apresentar seu trabalho para o mundo exterior e de entrar em contato com seus apoiadores, beneficiários e outras pessoas interessadas em seu projeto. No entanto, estes perfis não têm a mesma função de um site, visto que são – como o nome já sugere – muito mais sociais. É importante usar esse lado social e interativo para envolver o público e torná-lo parte do trabalho. Somente desta forma, os perfis de mídia social trazem um benefício extra para as ONGs.

Nas redes sociais, você pode compartilhar fotos, textos curtos e pequenos vídeos que dão uma visão instantânea do seu trabalho. Você tem a chance de entrar em contato com pessoas que desejam saber mais e obter um feedback direto sobre o seu trabalho. Você também pode interagir com outras pessoas que trabalham em sua área ou com doadores em potencial por meio de seus perfis de mídia social.

Com novas ferramentas que estão se tornando mais comuns agora, é até possível arrecadar fundos diretamente por meio das mídias sociais. Portanto, se a sua ONG precisa apresentar o trabalho que você faz para o exterior, usar os canais de mídia social faz muito sentido para explorar o potencial que está aqui.

Mídia social para ONGs – quanto mais perfis, melhor?

Existem inúmeras plataformas de mídia social por aí. Os mais conhecidos são provavelmente FacebookInstagramTwitter Youtube, mas essa lista nem arranha a superfície do que existe. O primeiro instinto geralmente é abrir contas em todas essas plataformas conhecidas e, às vezes, até mesmo em algumas adicionais. Mas tenha cuidado com isso, pois mais, não é necessariamente melhor. Antes de abrir um novo perfil, você deve se perguntar cuidadosamente o que deseja alcançar com ele, quanto tempo pode investir para gerenciá-lo e qual é o seu público-alvo.

Algumas plataformas de mídia social são mais voltadas para os jovens, outras para a meia-idade. Se você deseja ser conhecido melhor entre um grupo-alvo muito jovem, um perfil no Snapchat faz sentido; se você deseja apresentar seu trabalho a doadores em potencial, na verdade prejudicaria mais do que faria bem. O mesmo acontece ao contrário, se você publicar apenas no Facebook, não alcançará um grupo-alvo muito jovem.

Faça uma decisão de grupo para decidir quais plataformas você deseja usar para sua ONG. Você pode começar com um, ou seja, no Facebook, e depois verificar como anda seu trabalho e depois começar os próximos. Certifique-se de deixar claro o público que deseja alcançar e se esse público usaria aquela plataforma específica em que você está pensando. Uma boa maneira de descobrir se uma plataforma seria uma boa opção é verificar as estatísticas de usuário para o seu país. Esteja ciente de que isso pode mudar dependendo da localização também, ou seja, no Brasil, na Europa e nos EUA, o Facebook é menos usado por jovens, na Ásia e na África ainda está em alta.

Além disso, considere o tempo e os recursos que você pode investir no gerenciamento de mídia social. Abrir um perfil é apenas o primeiro passo, depois é preciso mantê-lo e preenchê-lo constantemente com conteúdo. Se você tiver recursos muito limitados, limite seus perfis de mídia social também. É sempre melhor não ter uma conta do que ter uma e não mantê-la atualizada constantemente.

Discuta com sua equipe quais perfis você acha que poderiam beneficiar sua missão e quem os administraria. É sempre uma boa ideia trabalhar em um manual desde o início, para que todos saibam como administrar suas contas.

Encontrando sua voz – o que isso significa?

Criar um manual ou encontrar sua voz é muito importante quando você usa a mídia social para ONGs. Antes de começar, você deve se perguntar o que deseja alcançar. Você deseja atrair doadores em potencial, comunicar-se melhor com seus usuários ou apenas informar o público em geral sobre o que está fazendo? Qual voz será a melhor para conseguir isso? Uma voz engraçada faz sentido, deveria ser mais casual ou muito séria? Certifique-se de que todos que postarem de sua conta saibam disso e sigam o estilo escolhido – caso contrário, seu feed parecerá incompleto. Você pode ter vozes diferentes para plataformas diferentes, pois seu público será muito diferente em cada rede – mas dentro da rede, sua voz deve ser consistente.

Além disso, pare um pouco para pensar sobre como você lidaria com uma precipitação antes de começar. Todos nós esperamos nunca receber nenhum feedback negativo nas redes sociais, mas no mundo de hoje, isso acontece mais do que esperávamos. É bom ter alguns controles e balanços para ser capaz de reagir apropriadamente e não muito emocionalmente quando algo acontecer. Uma coisa poderia ser encorajar mais de um ponto de vista para ter certeza de que a resposta é adequada.

As mídias sociais são uma ótima maneira de descobrir o que seu público pensa e obter feedback. Como o nome já diz, são sociais. Você será capaz de entrar em um relacionamento muito mais responsivo com as pessoas que o seguem do que apenas com um site. No entanto, você deve estar ciente de que isso exigirá tempo e esforço – abrir a conta é apenas o primeiro passo, executá-la e gerenciá-la é muito mais trabalhoso e exige um envolvimento constante. Se você fizer isso direito, as redes sociais podem dar uma grande contribuição para a sua causa.

Por que as ONGs precisam da mídia social?

10 razões pelas quais as ONGs devem estar no Facebook

A mídia social se tornou parte integrante de nossas vidas diárias. Quase todo mundo que tem acesso à internet também tem conta em uma das muitas redes sociais que existem. Por esse motivo, as ONGs não deveriam perder a chance de usá-los também para suas causas. Nesta seção, daremos uma olhada em detalhes no Facebook e nos vários motivos pelos quais as ONGs devem ter um perfil nesta rede social. A mídia social para ONGs sempre começa com uma conta no Facebook.

EXPOSIÇÃO

1. O Facebook tem quase três bilhões de usuários. Inscrever-se em uma conta para sua ONG dá a você uma exposição potencial a muitas pessoas que, de outra forma, nunca conheceriam seu projeto. Já falamos sobre a importância do seu site , mas através de um perfil no Facebook, é muito mais fácil conseguir exposição para o seu trabalho. Para encontrar sua homepage, as pessoas já precisam saber sobre sua organização ou pelo menos pesquisá-la com termos bem específicos. O Facebook oferece mais chances de compartilhar seu trabalho em toda a sua rede e, depois, na rede de seus seguidores.

CONEXÃO DIRETA COM SEU PÚBLICO

2. Às vezes é muito difícil conseguir uma conexão direta com as pessoas com quem você deseja trabalhar ou com as quais deseja informar sobre o seu projeto. O Facebook é uma ótima maneira de obter feedback direto sobre o seu trabalho. Se você postar uma foto, as pessoas vão comentar. Se você postar um link para seu site, eles aprenderão mais sobre seu projeto e compartilharão suas ideias nos comentários. É uma maneira fácil e excelente de descobrir se o seu projeto está gerando burburinho ou se ninguém está realmente interessado no seu trabalho. Você pode fazer perguntas e criar uma conexão direta com o seu público – algo que é muito importante para entregar um bom trabalho.

ARRECADAÇÃO DIRETA DE FUNDOS

3. Você também pode usar o Facebook para arrecadar fundos direto de seus seguidores. Há um tempo, o Facebook lançou um novo recurso para arrecadar fundos diretamente por meio de sua página. Mas também existem outras maneiras de aumentar a arrecadação de fundos com a ajuda do Facebook. Você pode postar links para sua campanha de arrecadação de fundos ou crowdfunding ou apenas pedir doações diretas em uma de suas atualizações.

ÓTIMAS FERRAMENTAS – MENSAGENS, ENQUENTES E FEEDBACK

4. O Facebook oferece várias ferramentas que você pode usar para apresentar seu trabalho ou solicitar financiamento. As pessoas podem lhe enviar mensagens diretas, você pode preparar enquetes e ter a oportunidade de receber feedback direto sobre o seu trabalho. Se você usar essas ferramentas, poderá criar uma conexão mais direta com o seu público e incluí-los mais estreitamente em seu trabalho. Pessoas que já trocaram mensagens com sua organização são mais propensas a doar para a sua causa. Se você não tem certeza de como implantar um novo programa, pode usar as enquetes para coletar opiniões e desenvolver uma estratégia com o feedback direto de pessoas que já podem ter experiência neste campo

COMPARTILHE SEUS PROJETOS

5. O Facebook é uma maneira muito fácil de compartilhar seu trabalho com seus beneficiários ou pessoas que desejam apoiá-lo. Às vezes, você só tem uma pequena atualização que, de outra forma, não chegaria à sua página inicial – o Facebook é o meio perfeito para isso. Você pode compartilhar fotos e vídeos curtos de seu trabalho e progresso e manter seus apoiadores atualizados. Se você acabar escrevendo um artigo em sua página inicial sobre o andamento de seus projetos, pode criar um link para esse artigo e garantir que muitas pessoas o leiam. Compartilhar o trabalho em andamento faz com que seus seguidores se sintam mais próximos do projeto e, a longo prazo, torna-os mais propensos a apoiá-lo.

COMPARTILHE SEUS EVENTOS

6. O Facebook tem um ótimo recurso para planejar e compartilhar eventos com seu público. Se você tem uma arrecadação de fundos, um evento informativo ou a inauguração de seu projeto – você pode planejar e compartilhar no Facebook e garantir que todos que precisam saber sobre ele recebam as informações. Você pode até convidar pessoas diretamente pelo Facebook.

CONECTE-SE COM ORGANIZAÇÕES SEMELHANTES

7. No Facebook, você pode encontrar facilmente outras organizações que trabalham em sua área. Se geograficamente ou temática – você pode encontrar pessoas que lutam contra os mesmos problemas e podem querer fazer parceria com você . Compartilhe suas experiências e recursos para fazer o melhor uso deles.

REDE

8. O networking é muito importante no mundo da arrecadação de fundos. No Facebook, você não só pode se conectar com outras ONGs que poderiam ser parceiros em potencial, mas também com doadores, profissionais de sua área e apoiadores em potencial. Ao seguir doadores nas redes sociais, você saberá muito melhor o que eles realmente querem financiar e aonde seu trabalho os conduz. Às vezes, pode ser uma ótima maneira de entrar em contato quando você comenta e compartilha postagens e se conectar dessa forma. Parceiros de marcação e apoiadores certifique-se de estender sua rede e deixar as pessoas saberem sobre seu trabalho e suas conexões.

POSTAGENS DE FOTOS E VÍDEOS

9. O Facebook oferece a possibilidade de postar facilmente mídias visuais – fotos e vídeos. Isso nem sempre pode ser publicado de forma semelhante na página inicial. Se as pessoas têm uma ideia real do seu projeto, é muito mais provável que o apoiem. Esse é um dos grandes pontos positivos das mídias sociais para as ONGs. Fotos e vídeos são a maneira perfeita de convidar as pessoas a verem mais de perto e entenderem o seu projeto. Eles são uma ferramenta importante na narração de histórias e criam uma conexão emocional.

COMPARTILHE LINKS DOS SEUS PROJETOS

10. No Facebook, você também pode compartilhar links de uma forma fácil e atraente. Se forem artigos de sua própria página inicial ou artigos que foram escritos sobre sua organização ou seus projetos, você pode compartilhá-los com seu público e fazer com que todos saibam o excelente trabalho que você está fazendo.

Você consegue pensar em mais alguma razão pela qual as ONGs deveriam ter uma página no Facebook? Tenho certeza de que existem mais. Mas antes de abrir sua própria página no Facebook agora – pense no tempo que você deseja investir em mídia social. Uma página do Facebook pode beneficiar sua ONG de muitas maneiras, mas se você não tiver tempo para gerenciá-la, ela também pode fazer mais mal do que bem.

5 RAZÕES PARA AS ONGs ESTAREM NO TWITTER

O Twitter é uma das maiores e mais influentes redes de mídia social que existe. Muitas ONGs têm um perfil lá, mas antes de abrir uma conta no Twitter para sua ONG, você deve considerar cuidadosamente se tem tempo suficiente para gerenciar a conta. Se você não acha que alguém em sua organização pode gastar pelo menos 20 a 30 minutos por dia gerenciando sua conta no Twitter, talvez não seja uma boa ideia abrir uma. O Twitter é altamente interativo e precisa de tempos de reação muito rápidos, portanto, o gerenciamento diário é necessário.

Você também precisa considerar as pessoas que deseja alcançar com suas atividades nas redes sociais. O Twitter tem quase 400 milhões de usuários em todo o mundo, mas a rede se concentra mais em notícias e informações interessantes. Embora as fotos sejam sempre úteis, a rede não depende muito delas. Se você tem um projeto que está intimamente ligado a uma discussão em andamento, como mudanças climáticas ou questões femininas, e deseja fazer parte da discussão, o Twitter pode ajudá-lo. Se você deseja apenas apresentar o trabalho que realiza em um projeto local, a rede social pode não ser uma boa opção. É uma boa ideia associar-se a uma conta pessoal primeiro por algumas semanas para ter uma ideia. Depois disso, é mais fácil tomar uma decisão sobre a necessidade de uma conta organizacional.

Mas de que maneiras o Twitter pode ajudar sua organização? Aqui estão as 5 razões principais pelas quais você deve ter uma conta no Twitter após considerar os pontos mencionados acima.

CONEXÃO COM ORGANIZAÇÕES SEMELHANTES

1. O Twitter é um ótimo lugar para se conectar com organizações semelhantes. Você pode encontrar ONGs que trabalham no mesmo campo ou a mesma área geográfica e rede com eles. Talvez você possa até encontrar parceiros em potencial para cooperação. Vocês podem compartilhar as postagens e tweets uns dos outros e apoiar o trabalho um do outro como uma forma de criar confiança e uma boa base para uma parceria . Trocar informações e experiências sempre é uma ótima maneira de aprender.

CONECTANDO-SE COM POTENCIAIS DOADORES, APOIADORES E COLABORADORES

2. O mesmo se aplica a doadores e apoiadores potenciais ou reais . No Twitter, você pode se conectar com eles, marcá-los em suas postagens e obter as informações de que precisam. Quando você segue um doador por um tempo, retuíta e comenta suas postagens e mostra a ele que está interessado em seu trabalho, você pode ter o primeiro pé na porta ao abordá-lo em busca de apoio. Se você é ativo no Twitter e se mantém atualizado com os desenvolvimentos atuais, você mostra aos apoiadores em potencial que é um especialista em sua área e deseja aprender mais à medida que avança.

PARTICIPAR DE DISCUSÕES

3. O Twitter usa hashtags para categorizar os tweets. Às vezes, uma hashtag sobre eventos atuais é tendência e muitas pessoas a usam em seus tweets. Isso torna muito mais fácil para as pessoas que participam da discussão encontrarem tweets relevantes. Você pode usar isso para sua ONG. Monitore as hashtags de tendência e participe das discussões, se forem relevantes para a sua organização. Assim, você pode mostrar que está atualizado e quer fazer parte da mudança. Isso mostra aos doadores e apoiadores em potencial que você realmente se importa. Só faça isso se você realmente tiver algo para contribuir com a discussão.

COMPATILHAMENTO DE INFORMAÇÕES E DE NOTÍCIAS ATUALIZADAS

4. No Twitter, você pode compartilhar os artigos do seu próprio site . Também é uma ótima maneira de compartilhar artigos e links que contenham informações sobre sua área de trabalho. Dessa forma, você se educa e mostra aos apoiadores que está disposto e é capaz de aprender. Também garante que você se mantenha atualizado sobre os desenvolvimentos em seu campo e seja capaz de incorporar essas novas informações ao trabalho do projeto.

MOSTRAR QUE VOCÊ FAZ PARTE DO MOVIMENTO

5. Twitter é uma rede social onde nasceram muitos movimentos como #metoo ou #timesup. Se você trabalha em um setor que faz parte de qualquer movimento, pode tirar proveito disso e fazer parte dele. Porém, certifique-se de não pular em um trem que o leve na direção errada. Somente participe da discussão se você tiver algo a contribuir. Existem muitas histórias de marcas que tentaram usar a publicidade que vem com o uso de uma hashtag de tendência, mas falharam espetacularmente. Mas se você está trabalhando para o empoderamento das mulheres, faz sentido participar desta discussão. Se você trabalha na mitigação das mudanças climáticas, é bom adicionar sua voz quando este assunto for discutido. Tornar-se parte de um movimento pode tornar sua organização mais forte e levar a novas conexões e parcerias.

5 RAZÕES PARA AS ONGs ESTAREM NO INSTAGRAM

Antes de abrir uma conta no Instagram para sua organização, você deve considerar se tem tempo e recursos suficientes para gerenciar a conta e se isso pode ajudá-lo a atingir seu objetivo e atingir seu público-alvo. Leva tempo e recursos para executar uma conta do Instagram de sucesso, então você só deve entrar nesta rede se puder investir os recursos necessários. O Instagram para ONGs pode ajudá-lo a promover seus objetivos, mas uma conta inativa com informações desatualizadas pode fazer mais mal do que bem.

Instagram é uma rede social altamente visual que se baseia em fotos e vídeos. Só faz sentido considerar a abertura de uma conta nesta rede se você puder alimentá-la com imagens que chamem a atenção. Pense e discuta com sua equipe sobre isso antes e descubra se isso é algo que funcionaria para sua organização.

Mas de que forma o Instagram pode ajudar sua organização? Aqui estão as 5 razões principais pelas quais você deve ter uma conta no Instagram depois de considerar os pontos mencionados acima.

VISUAIS CHAMAM A ATENÇÃO

1. Instagram é uma rede baseada em fotos. Lindas fotos de seu trabalho e de seus beneficiários são a maneira perfeita de despertar mais interesse em seu trabalho. Sempre tenha em mente que uma boa imagem pode conter mais de 1000 palavras. Você pode garantir que seus apoiadores sintam uma conexão mais pessoal com seu projeto por meio de seus recursos visuais. Isso os tornará mais propensos a apoiá-lo a longo prazo.

CONEXÃO COM ORGANIZAÇÕES SEMELHANTES

2. Como todas as outras redes sociais, o Instagram é o lugar perfeito para procurar organizações com interesses semelhantes e se conectar com elas. Você pode network com ONGs que trabalham em seu campo ou sua área geográfica e talvez até mesmo encontrar potenciais parceiros para o futuro. Mostrar que você está bem conectado em sua área faz com que você pareça um parceiro mais confiável também para apoiadores em potencial.

CONECTANDO-SE COM APOIADORES EM POTENCIAL

3. A mídia social em geral, mas também o Instagram, em particular, é um ótimo meio para se conectar com apoiadores em potencial. Por meio de fotos, as pessoas conhecerão seu projeto em um nível muito mais pessoal e terão maior probabilidade de apoiá-lo. Eles podem acompanhar um projeto de perto e criar uma conexão significativa com sua organização.

PASSE A MENSAGEM SOBRE SUA INSTITUIÇÃO LÁ FORA

4. Se você usar hashtags de maneira inteligente, poderá estender sua rede para além das pessoas que já conhecem você e seu trabalho e ganhar novos amigos e apoiadores. Embora seja muito difícil compartilhar links para conteúdo via Instagram, você pode incluir um link para o seu site em seu perfil e levar as pessoas até lá, se quiserem obter mais informações. Se você conseguir entrar nas imagens de tendência com suas contribuições, vai ganhar muitos novos seguidores que apoiam sua missão de fora do seu círculo atual.

MOSTRE O LADO HUMANO DO SEU PROJETO

5. Ao compartilhar fotos, você pode mostrar o lado humano de seu trabalho e tornar mais fácil para as pessoas criarem uma conexão emocional com seu projeto. Informações e dados são importantes, mas por meio das fotos as pessoas se sentirão muito mais próximas do projeto. Se você usar isso estrategicamente, poderá criar uma base de seguidores que é muito apaixonada por sua causa e pode se relacionar.

MÍDIAS SOCIAIS PARA ONGs – YOUTUBE

O YouTube é uma das redes de crescimento mais rápido em todo o mundo. Quase todo mundo usa o YouTube para assistir a vídeos engraçados, ouvir música ou aprender coisas novas. Mas também faz sentido que as ONGs tenham um canal no YouTube? Existem alguns prós e contras que você deve discutir em sua equipe antes de pensar em abrir um canal no YouTube para sua ONG.

Os vídeos do YouTube são uma maneira incrível de fornecer ótimas informações sobre o seu projeto. Com os avanços da tecnologia de hoje, cada smartphone pode produzir vídeos com qualidade decente e eles são muito mais envolventes do que apenas imagens e texto. Os vídeos podem dar voz aos beneficiários e tornar seu projeto muito mais real para os telespectadores. No final das contas, esse é um dos principais objetivos ao usar as redes sociais para as ONGs.

Você também pode usar o YouTube para divulgar o trabalho do seu projeto. Talvez você esteja ensinando um método ou abordagem específica e os vídeos podem ser uma ótima ferramenta para compartilhar isso com outras ONGs e organizações.

O YouTube também é uma plataforma onde muitas ONGs ainda não estão representadas. Se você tem um ótimo canal, pode ser um lugar onde você possa brilhar e brilhar. Você também pode usar o YouTube para se conectar com beneficiários e voluntários – as pessoas adoram se ver nos vídeos.

Por outro lado, existe uma razão pela qual não existem muitas ONGs representadas no YouTube. Carregar vídeos na plataforma exige muito mais do que apenas apontar um telefone para a ação. Você precisa fazer com que os vídeos tenham uma aparência profissional, editá-los, certificar-se de que contam exatamente a história que você deseja contar e, em seguida, comercializá-los. Tudo isso dá muito trabalho!

Antes de iniciar um canal, certifique-se de que você é capaz e deseja assumir esse compromisso. O retorno do investimento esperado para este canal vale o esforço? Você talvez tenha voluntários para quem poderia terceirizar este processo? Se você deseja usar o YouTube para sua ONG, deve ter certeza de que poderá atingir seu público com ele e de que poderá investir o tempo e os recursos necessários para manter um canal profissional.

MÍDIAS SOCIAIS PARA ONGs – PINTEREST

O Pinterest é mais uma máquina de busca do que uma rede social. Você pode postar fotos com um link anexado e outras pessoas podem publicá-las. Por meio do Pinterest, os membros tentam gerar tráfego mais do que qualquer outra coisa.

Embora o tráfego para sua página da web seja importante, normalmente não é a chave para seu sucesso. As pessoas que usam o Pinterest normalmente procuram dicas de bricolagem, receitas e conselhos de viagem – não tanto por ONGs para as quais possam doar ou cooperar.

O Pinterest é uma plataforma muito opcional para ONGs – pode aumentar o tráfego do site e com isso a conscientização sobre a ONG, mas existem outras plataformas que fazem isso muito melhor e com menos trabalho. Discuta com sua equipe se você realmente acha que o Pinterest é necessário para sua ONG.

Concluindo, podemos dizer que as mídias sociais são muito importantes para as ONGs – mas que mais nem sempre significa melhor. Administrar profissionalmente uma conta exige muito trabalho e, antes de abrir uma, toda ONG deve considerar cuidadosamente se possui os recursos necessários e se o canal escolhido é o certo para atingir o público-alvo.

Você tem perfis de mídia social?

Por favor, coloque o link nos comentários para que possamos verificá-los e interagir com você.

Notícias extraída da Página proposalsforNGOs, escrito por Eva Wieners

3 dicas de orçamento para ajudar os profissionais de marketing a se planejar para 2021 em meio à incertezas!

Este é geralmente o momento para as empresas se aprofundarem em sua temporada de planejamento para o próximo ano. No entanto, dada a incerteza econômica após a pandemia do coronavírus, prever como as coisas acontecerão em 2021 não é tarefa fácil.

As mudanças abruptas, mas significativas, no comportamento do consumidor, a incerteza quanto aos canais de marketing adequados para as comunicações, mantendo o tom de voz correto, e o estado geral da economia tornam o planejamento do orçamento para 2021 nitidamente precário.

Qualquer que seja o futuro, existem três princípios-chave que os profissionais de marketing devem manter em mente ao planejarem os gastos de marketing do próximo ano durante esses tempos desafiadores.

1. Calcule seu orçamento usando novos dados, não projeções históricas
No planejamento anual, é comum basear seu orçamento nos anos anteriores e, em seguida, ajustar para cima ou para baixo. Com muitos orçamentos de marketing apertados em 2020 devido à pandemia, alguns de vocês podem ter que adotar uma abordagem cautelosa para 2021, pois podem estar enfrentando mais limitações de orçamento.

Em vez de reduzir imediatamente sua atividade de marketing, reserve um momento para prever suas necessidades de orçamento de marketing de linha de base com uma abordagem de baixo para cima. Faça uma estimativa da demanda futura por seus produtos e os custos médios de conversão para obter uma imagem mais clara do orçamento de que você precisa.

Um bom exemplo disso vem da marca líder de artigos para casa e cosméticos, Rituals. Antes da movimentada temporada de férias do ano passado, eles examinaram sua estratégia para garantir que estavam definindo seus orçamentos corretamente. Para fazer isso, eles analisaram sua participação de mercado atual, as flutuações de custo por clique e o crescimento da consulta de pesquisa, juntamente com outros pontos de dados para ajudar a construir uma ferramenta interna de previsão de orçamento. Isso permitiu que eles previssem um orçamento adequado, antes de garantir a adesão das partes interessadas seniores. Como resultado, eles conseguiram capturar a demanda crescente dentro de sua categoria e aproveitar ao máximo a temporada de presentes.

Para prever orçamentos com mais precisão em um mercado dinâmico, criamos o Planejador de desempenho . Essa ferramenta permite que você preveja as principais métricas com até 18 meses de antecedência e, em seguida, atualize-as regularmente em todas as suas contas.

2. Mostre que o marketing é um investimento, não uma despesa
O marketing deve ser um centro de lucro para a empresa e, portanto, vinculado a objetivos identificáveis ​​de toda a empresa, como vendas online ou offline, leads, envolvimento do consumidor e assim por diante. Em tempos de incerteza econômica, isso talvez seja ainda mais importante.

Esteja sua empresa apertando o cinto ou expandindo para atender a uma nova demanda, pode ser difícil justificar o gasto de dinheiro em publicidade sem um objetivo claro vinculado. Concentre-se em quantos novos negócios seus esforços de marketing podem potencialmente gerar, em vez de sobrecarregar as partes interessadas sênior com métricas específicas de marketing, como taxa de cliques e alcance.

Sempre que possível, tente simplificar seus relatórios para as partes interessadas. Você pode querer avaliar seus canais de forma holística. É natural que as atividades de funil inferior tenham um ROI mais alto, mas muitas soluções de publicidade, como anúncios em vídeo, anúncios de pesquisa e remarketing, são desenvolvidas para funcionar juntas. Você pode demonstrar claramente às partes interessadas que, para cada dólar gasto em marketing, eles recebem vários em troca.

Aprendizado de máquina e ferramentas de análise agora permitem que os anunciantes rastreiem as conversões online e offline. E, desde que haja orçamento suficiente, eles podem capturar todas as conversões disponíveis dentro do CPA desejado (custo por aquisição) ou ROAS (retorno do investimento em publicidade). Também se pode mostrar que uma corrida por CPAs mais baixos e orçamentos de marketing menores às vezes é contraproducente para a empresa com um cálculo simples como este:


Isso é exatamente o que a varejista de eletrônicos de consumo italiana MediaWorld fez. Quando sua rede de lojas off-line fechou durante o bloqueio, eles investiram em vendas on-line e reduziram seu ROAS desejado para capturar o crescimento incremental em categorias de produtos em ascensão, como laptops, consoles de vídeo e pequenos eletrodomésticos. Como resultado, sua receita de comércio eletrônico triplicou com ROAS de 22 para um. Para estimar seu ROAS e o desempenho esperado da campanha, você pode utilizar simuladores em sua conta do Google Ads.

No entanto, se as partes interessadas ainda estiverem hesitantes, talvez você precise começar com um orçamento menor. Evite espalhar muito por todos os canais, escolha os canais que têm o ROAS mais alto e financie-os totalmente.

3. A demanda flutuante requer agilidade
Se 2020 mostrou algo aos profissionais de marketing, foi o quão rápido o comportamento do consumidor pode mudar. Certifique-se de incluir flexibilidade em seu orçamento para responder a quaisquer novos desafios ou oportunidades que possam surgir em 2021 também.

Em 2020, vimos um aumento dramático na atividade online devido à adoção acelerada do digital pelos consumidores , junto com uma mudança nas expectativas dos consumidores e uma melhoria no retorno sobre o investimento para a maioria dos anunciantes. Com isso em mente, você pode expandir suas atividades de marketing com menos recursos. Ou você pode perceber que precisa de um orçamento maior para aproveitar ao máximo as oportunidades recém-criadas.

Na França, Piscines Desjoyaux, uma empresa familiar com 165 lojas de varejo que projeta e fabrica piscinas, reagiu rapidamente para desenvolver uma nova linha de produtos de piscinas caseiras faça você mesmo para ajudar com essa demanda crescente por projetos de reforma. Desjoyaux e Agence 79 usaram automação, otimização de conta e públicos combinados para transformar digitalmente seus negócios e entrar neste novo mercado, enquanto também se beneficiavam de CPAs mais baixos em palavras-chave genéricas, o que lhes permitiu aumentar seus leads em + 113% e as vendas em 20% ano a ano.

A maioria das empresas tem um orçamento de marketing anual fixo, que é realocado mensal ou trimestralmente. Dados os tempos dinâmicos em que vivemos, é importante adaptar esses planos com mais frequência. Por exemplo, revise seu orçamento a cada sete dias para garantir que suas campanhas de melhor desempenho não sejam prejudicadas por previsões de orçamento desatualizadas. No Google Ads, você pode realocar orçamentos enquanto mantém o controle por meio de recomendações ou com orçamentos compartilhados , que ajusta automaticamente como um orçamento é alocado em diferentes campanhas para ajudá-lo a melhorar seu ROAS.

Você não pode planejar para a incerteza, mas pode estar pronto para o que vem por aí
Planejar um orçamento de marketing pode ser complicado na melhor das hipóteses, quanto mais quando há tanta incerteza econômica a ser considerada. Ninguém sabe ao certo o que o futuro nos reserva, mas você precisa ter uma mentalidade flexível e um plano de orçamento otimizado para ter sucesso . Dessa forma, você pode estar pronto para aproveitar qualquer aumento na demanda e novas oportunidades para impulsionar o crescimento de seus negócios durante a recuperação econômica.

Pendo O’Donohoe
Patrocinador executivo – Orçamentos de pesquisa e crescimento EMEA, Google

Automação é o segredo para fazer a diferença em sua estratégia de Search Engine Marketing

Como a automação se tornou a espinha dorsal do marketing de mecanismo de pesquisa eficaz.

Ilustração estilizada de uma pessoa interagindo com diferentes interfaces digitais, desde as configurações de pesquisa e usuário até vídeo e bate-papo.
A rede de pesquisa é um meio único em seu tipo. O marketing do mecanismo de busca é um ponto de conexão centrado na demanda, uma oportunidade para iniciar conversas individuais e também é um ecossistema incrivelmente complexo de funções inter-relacionadas. É por isso que, aos olhos dos fãs de marketing de busca este canal é tão fascinante.

Uma boa estratégia de marketing de mecanismo de busca é ter um sistema bem lubrificado que combina a intenção de uma pessoa com a melhor resposta. Mas uma excelente estratégia de marketing de mecanismo de pesquisa é aquela que usa a automação para melhorar continuamente e se tornar mais eficiente e eficaz com o tempo.

No entanto, os profissionais de SEM demoraram um pouco para adotar a automação. Fomos queimados pelos aclamados algoritmos de lances proprietários, entusiasmados com texto de anúncio gerado automaticamente de baixa qualidade e iludidos por promessas de automação em tempo real que representam enganosamente atrasos no processamento de dados. Mais importante, muitos profissionais de marketing de mecanismo de pesquisa ainda não foram capazes de digerir o fato de que cada nova ferramenta parece reduzir ainda mais o escrutínio manual. Se você também tiver essas preocupações, saiba que estamos no mesmo barco.

Os anunciantes que evitam usar a automação estão agindo com uma mentalidade que já estava desatualizada há mais de vinte anos.
No entanto, apesar das dificuldades do passado, chegou a hora de reavaliar a automação em Search Engine Marketing. Os anunciantes que evitam usar a automação no marketing de mecanismo de pesquisa não estão apenas desistindo de obter melhores resultados, mas também adotando uma mentalidade que já estava desatualizada há mais de vinte anos. Tudo isso, à luz das últimas revoluções do mercado e do consumidor, é um luxo que não podemos mais nos permitir.

As ferramentas de hoje evoluíram e, em comparação com o passado, oferecem mais controle, mais transparência e melhores resultados tangíveis. Mais importante, a automação em tempo real se tornou a base de todo o ecossistema de pesquisa. A automação pegou a rede de busca quando ainda era um conceito analógico (mais como um diretório físico) e a transformou em um meio digital dinâmico. Com isso, tem permitido crescer e passar de um pequeno catálogo de sites selecionados a uma experiência sempre acessível, em vários dispositivos e capaz de oferecer ao usuário praticamente qualquer tipo de conteúdo que ele procura.

O marketing do mecanismo de pesquisa é complexo, mas não complicado
O marketing de busca não é complicado, apenas complexo. Essa complexidade aumenta exponencialmente cada vez que um novo recurso é introduzido, pois cada indicador de intenção deve ser considerado junto com todos os outros. Os mecanismos de pesquisa agregam dezenas e, às vezes, centenas de dados para cada interação para fornecer a experiência mais personalizada e relevante possível em resultados orgânicos e pagos. Automação é a chave para alavancar esses indicadores.

Por exemplo, a iProspect usou lances no momento do leilão e ajustes de sazonalidade do Google no Search Ads 360 quando a Levi Strauss & Co. pediu a ela que ajudasse a aumentar a receita e o tráfego da Web durante o feriado de 2019. Os Lances inteligentes, junto com a atribuição baseada em dados, nos permitiu ajustar os lances para palavra-chave para cada consulta individual, graças à sua combinação única de indicadores de contexto. O resultado final foi um aumento de 25% no tráfego e um aumento ano-a-ano na receita atribuível ao último ponto de contato de 21%. Claro que, como qualquer outra equipa, estamos orgulhosos destes resultados, mas o que mais me impressionou foi a melhoria de eficiência proporcionada pela automatização, que conseguiu reduzir o custo por clique (CPC) sem marca da empresa. 19% e CPC relacionado à marca de 21%.

As ferramentas de automação atuais não são adequadas para todas as situações, mas os profissionais de marketing digital mais experientes não param de usá-las na primeira falha. Em vez disso, eles tentam entender o que aconteceu e se o problema é devido ao próprio instrumento ou um mal-entendido sobre como ele funciona.

Às vezes, um mal-entendido pode ser devido à confusão sobre o nome do instrumento. É fácil confundir esses recursos poderosos uns com os outros, pois costumam usar um acrônimo. Por outro lado, adaptar a terminologia também pode causar confusão. Passei muitas reuniões explicando aos profissionais de marketing tradicionais que uma campanha de marketing de mecanismo de pesquisa é um elemento estrutural e contínuo, não uma compra para um período específico de postagem, típico da publicidade tradicional.

As ferramentas de automação atuais não são adequadas para todas as situações, mas os profissionais de marketing digital mais experientes não param de usá-las na primeira falha.
Outras vezes, resultados ruins podem ser decorrentes do uso indevido da ferramenta por parte dos profissionais. Por exemplo, muitas ferramentas de lance e orçamento não funcionam muito bem ao tentar combinar o gerenciamento automatizado e manual. No início deste ano, estávamos testando uma ferramenta e descobrimos que, se alterássemos o orçamento diário de uma campanha, todos os lances automáticos seriam pausados ​​por sete dias enquanto o sistema recalculava a referência. Depois de entender isso, nossa equipe reformulou os procedimentos diários para aproveitar a ferramenta que utilizávamos.

A melhor abordagem é entender os pontos fracos e fortes de cada ferramenta e aplicá-la aos casos de uso relevantes ou possivelmente mantê-la para uso futuro.

Quando lançou as campanhas de descoberta do Google para Urban Outfitters, a iProspect usou o que aprenderam com os testes anteriores para tentar uma nova abordagem. Dividimos os anúncios de descoberta da Urban Outfitters por público, criando campanhas separadas para públicos-alvo próprios, de terceiros e personalizados por intenção. Com essa abordagem, pudemos ver rapidamente como o desempenho variava de um segmento para outro. Os públicos-alvo primários geraram 100% da receita de anúncios discovery, mas as campanhas baseadas em públicos-alvo de terceiros alcançaram uma taxa de cliques 35% maior do que os outros dois segmentos. Finalmente, os públicos-alvo com intenção personalizada alcançaram um CPC 42% menor do que a estrutura anterior. Por sempre fazer novos testes e questionar continuamente nossos preconceitos sobre anúncios discovery, nossa equipe encontrou uma maneira de direcionar facilmente nossa estratégia para um objetivo (aumentar a receita, tráfego ou eficiência) ou qualquer combinação. Destes.

Experimente, aprenda e implemente
Compreendo perfeitamente como é tentadora a perspectiva de gerenciar manualmente esse conjunto complexo de elementos. Já aconteceu comigo várias vezes também. Dez anos atrás, criei uma planilha de otimização de orçamento com uma fórmula “IF” aninhada tão complexa que acabei descobrindo o limite de caracteres da célula do Excel (para constar, é 32.767). A solução funcionou, mas então encontrei uma ferramenta que permitia que 90% do trabalho da mesma funcionalidade fosse feito por meio de uma interface de usuário fácil de usar. Nem é preciso dizer que não foi difícil decidir mudar para a nova ferramenta.

A automação permite que os profissionais de marketing atinjam um grande público com suas mensagens e estratégias e, ao mesmo tempo, forneçam resultados personalizados e otimizem o desempenho. Se você já experimentou algumas queimaduras no passado usando ferramentas de automação, agora é a hora de avaliar as soluções mais modernas com uma mente aberta e encontrar a combinação certa que levará suas campanhas ao próximo nível.

Jeremy Hull
Vice-presidente sênior de inovação na iProspect

Boa leitura.

Abrir Chat
Precisando de Maiores Informações Chame.
Qual a sua dúvida? Nossos Consultores te atenderão o mais rápido possível!